quinta-feira, 24 de novembro de 2016

Regatas Corrientes vence Instituto na LNB Argentina

Foto: Gonzalo Contreras/ La Red/Continental Corrientes(@gonzalocontra)




É do 96 a 83 que o Blog do Igor escolheu se ligar na LNB Argentina em um dos jogos da rodada desta quarta. E o aproveitamento alto correntino chamou demais a atenção e fez até o placar depois do intervalo aumentar com direito a controle e vitória para os comandados de Gabriel Piccato a um inconsistente Instituto que as vezes dá a impressão de não manter regularidade e isso porque na equipe de Córdoba não tem um elenco ruim não, pelo o contrário.
Primeiro quarto equilibrado, Sam Clancy sendo o regular de sempre nos times que ele veste a camisa e ele no garrafão causou problemas para o Regatas enquanto o Regatas só no final do quarto ajeitou a defesa e ainda viu Pablo Espinoza jogando bola. Empate em 19 no fim do primeiro quarto.
Já no segundo quarto, tivemos o mesmo destino: Equilíbrio puro e num jogo onde tudo estava bem igual, poucos detalhes aconteciam e até que Donald Sims aparece e o gringo do Regatas Corrientes puxa na mão o jogo e faz o time abrir 42 a 33 no fim do primeiro tempo, seja com infiltrações, seja com bolas de fora.
Na volta do intervalo, veio o domínio total do Regatas Corrientes no jogo, "La Gloria" não aguentou(como é conhecido o Instituto, pra quem não sabe) o tranco e a forma que liquidou o jogo foi graças a Sims, graças a Paolo Quinteros e a Pablo Espinoza que até saiu aplaudido no último quarto quando substituído. Até o jogo chegou a estar em 19 de frente, o Instituto até fez uma rápida sequência que baixou a vantagem, mas nada feito além da soberana vitória que foi transformada na segunda etapa porque na primeira parte era puro equilíbrio com poucos detalhes.
Cestinhas do jogo/Maximos Puntuadores? Regatas teve 28 pontos do Donald Sims, 21 pontos do Pablo Espinoza, 17 do Paolo Quinteros e 10 do Martina(Fabián Ramírez Barrios que já jogou por aqui teve 4 pontos apenas). Já o Instituto teve 25 pontos do Rodney Green, 15 do De Groat, 15 do Sam Clancy, 12 do Gerlero e 10 do Pablo Bruna.

Nos outros jogos do dia, tivemos Hispano Americano 75 x 70 Obras, tivemos Peñarol 75 x 70 Gimnasia e o San Lorenzo vencendo na La Bombonerita o Boca por 75 a 72.

A um passo do título: Grêmio vence Galo e fica próximo do título na Copa do Brasil

Foto: Mauro Schaefer



Quando ocorre essas vantagens que queiram ou não são enormes pra uma final desse tamanho como o 3 a 1 Gremista sobre a atleticanada em pleno Mineirão, sempre costumo dizer que só um milagre, só uma catástrofe para que o título mude de mãos. E isso não é ser arrogante, ou desrespeitar a história de ninguém, é algo que acontece e a esse Atlético atual com Marcelo Oliveira onde desde quando ele foi contratado não via com grandes olhos um teimoso treinador que não se reinventou depois do Cruzeiro e tem vivido de passado. Já o Grêmio é outra grata surpresa, não pensava que com Renato Gaúcho iria fazer algo que com o Roger antes não fazia........pra ver como não somos donos da verdade nas análises ao contrário do que vejo até comentaristas dizendo que torcedores não entendem nada, se brincar eles entendem mais sim, ninguém é supra-sumo de tudo.
Parece até que os papéis se inverteram em demasia nesse momento.....e o Grêmio aproveitou demais isso, e como vi num texto da Jéssica Cescon, o gremista que conseguiu o ingresso pra semana que vem na Arena do Grêmio, será privilegiado de momento de título.
Enquanto o Galo era completamente dominado e só queria saber de contra-ataques e poucos chutes saindo como o de Robinho, o Grêmio fazia uma atuação daquelas magistrais com objetividade e sem falar em movimentação rápida. E de tanto insistir, o gol saiu aos 29 quando Pedro Rocha recebeu a bola, fintou o zagueiro e bateu sem chance pra Victor, 1 a 0 Grêmio.
Depois disso que o Atlético veio, mas parou no Marcelo Grohe por duas vezes e numa delas uma defesa no pé em chute dentro da área e a queima roupa do Júnior Urso e se não era o Gabriel tirando bola em cima da linha o 2 a 0 já estava rolando faz tempo. Só que esse 2 a 0 viria na segunda etapa.....
9 minutos do segundo tempo, contra-ataque onde sozinho Pedro Rocha ganhou de todo mundo e concluiu para marcar, festa gremista ainda mais de quem esteve por lá.....até ouvia relatos do Daniel Oliveira falando de torcedores que foram pra Minas sem dinheiro porque foram assaltados no meio do percurso e todas as dificuldades que torcedor leva pra estar e ainda tem jornalista que fica debochando e se gabando ou achando a favor que tenha limitações pesadas pra torcedor só por causa de outros que aprontam e isso porque pra esse povo, só ter a carteirinha basta pra não sentir as dificuldades do torcedor em ir a outro lugar ainda mais em jogos assim pra se ligar no time de coração e sem modismo e sem hipocrisia. Até os relatos que ouvia do Daniel Oliveira na Rádio Bandeirantes de Porto Alegre foram esses e na hora parei até pra pensar em jornalista por aí que tripudia das dificuldades do torcedor.......esse torcedor que passa por tudo isso, consegue ainda ter forma de se acompanhar o jogo, tinha que exibir o troféu, tinha que dar parabéns, pois nem as dificuldades deixaram dele acompanhar ou desistir.
O Galo até tentou reagir no escanteio batido e no toque de cabeça do Gabriel, mas isso acabou sendo em vão, o tempo passava, o Galo seguia naquela mesma apatia e naquele jogo típico de Marcelo Oliveira que acaba o gás e o Grêmio por 1 bola pra liquidar o jogo e a perfeita atuação em solo mineiro com o gol do Éverton.
Agora só um milagre pra que o título mude de mãos na próxima quarta-feira......sejamos sinceros!

Danilo garante, Chape segura San Lorenzo e está na final da Sul-Americana



Me pergunto onde estão aqueles torcedores da própria Chapecoense que desdenharam do Danilo, que falaram que ele era frangueiro, que o Marcelo Boeck era melhor do que ele? Devem estar se retorcendo de raiva certamente falando e precisam assumir que se equivocaram.
Danilo claro que viveu uma fase ruim, onde parecia que ele perdeu a prática de ser seguro no gol....só que foi uma encostada no banco pra depois voltar e não largar mais a titularidade e logo o Danilo pra botar uma história na Chapecoense. A história Sul-Americana de chegar a final da competição e desbancar o San Lorenzo com um 0 a 0 que nos minutos finais o medo imperava sobre tomar um gol e a casa cair. Até pra alguns podem ter passado o momento de tomar gol anos atrás em série D ou C no finalzinho que fez a Chapecoense ficar ao invés da classificação que parecia toda certa após abrir um 3 a 0 e os anos mudam e o tal gol no finalzinho não se ouve e nem se vê mais.
Maior do que isso foi a narração de Deva Pascovicci, onde acho que nem quando narrava no Sportv jogos diretos do Santos na Vila Belmiro e nem quando narrava super bem na Rádio CBN em São Paulo os 4 grandes teve tanta emoção como uma defesa como a do Danilo e toda a identidade de virar o narrador dos jogos da Chapecoense em plena Fox Sports. O Milagre de Condá não fez a bola entrar na última jogada, mesmo milagre que fez aquela cabeçada anteriormente na segunda etapa parar na trave ou de chute despretensioso do Blandi ter o Danilo garantido a defesa, pois teve goleiro que iria fazer o golpe de vista igual tenista quando vai pra rede no tempo que se sacava e voleava e o golpe de vista acabava sendo um tiro pela culatra.......tinha torcedor que até botou Padre Igor(um dos Padres principais famosos na cidade) no confronto contra o Papa(já que o Papa Francisco é torcedor da equipe do Bairro de Boedo).
Claro que nas próximas horas deve ter narrações de demais rádios com o momento do Danilo que garantiu a Chapecoense na final com aquela defesa, e não dá pra não deixar de destacar o Fernando Doesse na narração do Danilo, narração outra espetacular nesta noite de quarta-feira: http://www.radiochapeco.com.br/2016/11/23/danilo-defendeu-no-ultimo-lance-e-verdao-esta-na-decisao/
Ouvia a Rádio Chapecó as 6 e pouco da tarde, após passar a tarde inteira lendo textos da minha famosa correria com o curso de direito e matérias online a vista e eis que me ligo na Live que a turma da Rádio Chapecó fazia direto do estádio falando da partida. O programa esportivo terminava(Debate Esportivo) e ainda me espantava com ingressos ainda sobrando, algo que virou lotação máxima depois e aí este que vos fala se aliviava por inteiro, porque em um momento tão histórico numa história que anos atrás era um time sem série e só com o calendário preso ao Catarinense não iria ter lotação máxima em Chapecó? E teve, muitos fazendo os check-ins que não curto muito nas redes sociais, teve fotos, teve posts, tweets e demais de gente estando ou de torcendo pra Chapecoense mesmo não tendo o verdão do Oeste como time do coração.
O jogo começou, primeira etapa com as duas equipes fazendo jogo aberto e enquanto o San Lorenzo tinha chance de um lado onde Danilo fazia o primeiro milagre, o gol do William Thiego era bem anulado ao meu ver onde as imagens não mentem e nem dá pra brigar embora sempre achei a câmera mal localizada, uma câmera torta avaliar impedimento é até esquisito. A Chapecoense tomou conta do jogo e o placar não saiu do 0 a 0.
Na segunda etapa, o San Lorenzo até botou Blandi, botou pressão e eis que surgiu a bola na trave na cabeçada, surgiu o lance do final de jogo e ainda se viu o Torrico defender chute direto do Lucas Gomes. A hora passava, o final de jogo chegava e claro que o torcedor estava apreensivo demais, quem não estaria apreensivo num jogo assim. 4 de acréscimo, 700 mil bolas na área pra tirar, todas tiradas ou quando não era tirada no final surgia o lance e a defesaça do Danilo no último minuto pra garantir o placar e a final onde vai pegar ou Cerro Porteño ou Atl. Nacional e uma noite mais uma inesquecível para o torcedor do Verdão do Oeste Catarinense.
E posso falar uma loucura? Posso ir na sinceridade? Quer presentear um lugar onde a Chapecoense teria caravana e recepção boa? Usem o Pacaembu. Me chamem de louco, mas iria ver o Pacaembu na mesma vibe da final Ponte-pretana em outro ano contra o Lanús onde até torcedores outros estavam no meio da galera. E até digo mais, abrem os ingressos pra vender em Chapecó e por aqui, até este que vos fala iria se a partida fosse pela a Capital Paulista. Em Porto Alegre não seria nada bom, na Arena da Baixada não sei se seria alguma coisa, no Couto Pereira também não sei até que ponto teria todo mundo torcendo embora já ouvi falar da reciprocidade entre a torcida do Coritiba e a torcida da Chapecoense que não é de hoje. Mas quero puxar pra minha sardinha, quero puxar pra outras pessoas e até pra uma possível logística que soma com o jogo da última rodada de Brasileiro que é contra o Atlético MG num talvez dúvida de ou time titular ou reserva por lutar por vaga na Libertadores nas duas instâncias. Pallaoro, use o Pacaembu, pense nisso e a turma virá, seja de Chapecó, seja de outros lados já que Chapecó foi vetado. E Pacaembu é um estádio onde a Conmebol sempre aprovou pra jogos.....caberia 40 mil tranquilamente por aqui e até com outras torcidas no meio usando uma singela camiseta verde de casa pra apoiar se não tem camiseta da Chapecoense. Me chamem de louco, mas é isso que gostaria de sugerir de fato.
No mais, torcedor da Chapecoense, comemore, teu time está na história linda, na história maravilhosa, história essa impagável e em uma noite(mais uma) memorável na história do clube. Isso é a Chapecoense!! Parabéns, parabéns! E escrevo isso de coração. E pode demorar a dormir, hoje é a boa causa de fato!!! Associação Chapecoense de Futebol, na final da Sul-Americana!!!!